Sobre a autora

Fotografia batida por Vinícius Brum Bertoldo

Nyssia Eiko é meu nome de registro, mas “Eiko” foi um nome “ignorado” durante muitos anos. Era mais fácil dizer só o primeiro nome. Mais ocidental e, como a lógica manda, é o primeiro a ser gravado quando alguém lê meu nome. Foi uma surpresa tremenda no final do ano de cursinho, logo antes de entrar para a faculdade, quando uma colega leu meu nome completo no cartão de identificação e me disse que eu deveria adotar o segundo, que era muito mais bonito. Depois de algum tempo na faculdade, percebi que, realmente, meu segundo nome não é ruim e tão complicado assim e, portanto, hoje eu costumo me apresentar como Nyssia Eiko. É um nome composto e bonito.

O nome, no entanto, não é tudo que se pode usar para se apresentar. Como a Lia (minha professora querida, linguista e Bakhtiniana) diz: “a gente é multidão!”. E somos mesmo. É um absurdo esperar que alguém me conheça por completo depois de ler um curto texto, nem quem me conhece desde os primeiros momentos de vida sabe e compreende todas as minhas manias e jeitos de pensar, por exemplo. Meu objetivo com esse texto, então, não é que tu saia desta página escrevendo uma biografia sobre mim, mas que nós nos aproximemos um pouco.

Eu sou uma pessoa que abre muitos parênteses. Demais até! Eu tenho muitos pensamentos na cabeça e amo conversar e externar meus balõezinhos de pensamento.